segunda-feira, 2 de março de 2009

sobre ciclovias

A Holanda é o país do mundo com o maior número de bicicletas per capita. Tendo o Faial um passado com uma ligação forte aos países baixos, creio que seria interessante começar a "importar" alguns dos bons exemplos de desenvolvimento urbanístico daquele país.

Gostaria de chamar a atenção para os visitantes deste blog para o video que se encontra no lado esquerdo da página, relacionado com a implementação de ciclovias em diversas cidades do mundo, em particular na Europa. Se clicarem em cima do vídeo poderão vê-lo em tamanho maior bem como ver a segunda parte do vídeo, o qual está cheio de informação interessante.

Infelizmente as legendas estão em português do Brasil mas não prejudica muito o visionamento.

5 comentários:

Grifo disse...

Acho que deve ser uma área de forte investimento, até porque muitos turistas adoram dar um bom passeio de bicicleta, assim como muitos residentes, seria Agradável para todos... Não sei se estava no vídeo (não vi, é muito grande), mas em Paris usa-se um sistema de bicicletas pago, que depois tem de ser estacionada no outro posto mais próximo lo local de destino, podia-se implementar em pequena escala por toda a cidade...

tomas disse...

as ciclovias não aumentam o número de bicicletas a circular
aumentar as áreas pedonais e diminuir as áreas de estacionamento e circulação automóvel
isso sim
aumenta a qualidade de vida
e a nossa marginal bem precisava

miguel valente disse...

Concordo que no centro da cidade não faz muito sentido a existência de ciclovias, desde que existam passeios suficientemente largos e seja dada prioridade aos peões e bicicletas em determinados arruamentos.
No entanto em determinadas situações, como a frente marítima da lajinha (ver post anterior) creio ser essêncial a existência de uma ciclovia, a par de um passeio público, de forma a que a circulação pedonal e a circulação de peões seja separada, evitando acidentes. A utilização da frente marítima da lajinha seria maioritariamente para lazer, pelo que a forma como as pessoas se deslocam é totalmente diferente de uma zona urbana.
Relativamente à marginal, concordo plenamente com o alargamento dos passeios, mas se existissem faixas de circulação para bicicletas creio que promovia uma maior utilização das bicicletas.

miguel valente disse...

Concordo que no centro da cidade não faz muito sentido a existência de ciclovias, desde que existam passeios suficientemente largos e seja dada prioridade aos peões e bicicletas em determinados arruamentos.
No entanto em determinadas situações, como a frente marítima da lajinha (ver post anterior) creio ser essêncial a existência de uma ciclovia, a par de um passeio público, de forma a que a circulação pedonal e a circulação de peões seja separada, evitando acidentes. A utilização da frente marítima da lajinha seria maioritariamente para lazer, pelo que a forma como as pessoas se deslocam é totalmente diferente de uma zona urbana.
Relativamente à marginal, concordo plenamente com o alargamento dos passeios, mas se existissem faixas de circulação para bicicletas creio que promovia uma maior utilização das bicicletas.

Konda disse...

Para quem conhece Aveiro, de certeza que ja ouviu falar das Bugas
http://massacritica-aveiro.blogspot.com/2007/07/as-bugas-porque-no-se-anda-mais-de.html
e já agora
http://www.massacriticapt.net/?q=sobre-a-massa-critica